Liga MEO Surf – Figueira da Foz distinguida pelo regresso das provas de surf a nível mundial

0
35
Pub

Allianz Figueira Pro foi a 1ª competição de surf após o surgimento da pandemia da Covid-19

Carlos Monteiro, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, recebeu esta quarta-feira das mãos de Francisco Rodrigues, presidente da Associação Nacional de Surfistas, um troféu que distingue o município figueirense por ter sido o palco da primeira competição de surf a realizar-se a nível mundial após o surgimento da pandemia da Covid-19.
Foi a 19 de Junho que o Allianz Figueira Pro foi para a água, tornando-se, assim, numa etapa histórica nacional e internacionalmente, porque permitiu aos surfistas portugueses retomarem as suas vidas competitivas, retorno aos patrocinadores e rendimentos por via das premiações monetárias, assim como a muitos profissionais de suporte à realização da competição e sua transmissão televisiva que regressaram às suas funções profissionais.

Esta distinção à autarquia da Figueira da Foz surge numa altura em que o Circuito Mundial de Surf da World Surf League está a poucos dias do regresso. Cerca de seis meses depois da Liga MEO Surf, o Allianz Figueira Pro e os surfistas portugueses terem servido de exemplo, os melhores do Mundo, onde se inclui o português Frederico Morais, preparam-se, agora, para fazer o mesmo ao mais alto nível.
O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz salientou que a Autarquia teve “noção que o surf enquanto desporto individual poderia decorrer, desde que cumpridas as regras apresentadas pela Associação Nacional de Surfistas” e, por essa razão, acolheu a Liga MEO Surf.
“Contribuímos para que a competição voltasse ao panorama nacional. A organização da etapa esteve sempre no nosso horizonte e felizmente todos os envolvidos, a Autarquia, ANS e a Capitania, conseguiram conjugar esforços, para que fosse uma realidade. Esta etapa vai ficar na história do surf da Figueira da Foz pelas melhores razões. E isso é um grande motivo de orgulho”, afirmou Carlos Monteiro.

Já a vereadora do Desporto, Mafalda Azenha destacou a importância da etapa por ser a primeira a nível mundial. “Teve a importância crucial de mostrar que se pode fazer desporto mesmo quando isso parece não ser possível. A Figueira da Foz é uma cidade de Surf, e como tal não podia deixar de ser parte ativa da retoma num momento como este, em respeito pela história, por todos os surfistas da nossa cidade e por todos aqueles que queriam competir nas nossas ondas”.
Por sua vez, o presidente da Associação Nacional de Surfistas, Francisco Rodrigues referiu que a ANS não poderia deixar de assinalar o “pragmatismo da Figueira da Foz em dizer ‘presente’ para o arranque da Liga MEO Surf no passado mês de junho”.
“Numa altura de muita confusão e pouca clareza face aos riscos da realidade da Covid-19, ter aceite o desafio do regresso do Surf à competição foi uma atitude de grande apoio aos surfistas portugueses. Mais ainda, em fase prévia durante o mês de Maio, o Município da Figueira da Foz foi sempre muito prestável e cooperante”, acrescentou.

O surgimento da pandemia e a consequente expansão a nível mundial obrigaram ao cancelamento da temporada internacional de 2020 e ao adiamento de várias etapas na Liga MEO Surf. Contudo, a ação regressou de 19 a 21 de Junho, em pleno início de verão, para uma etapa ditou o arranque daquele que foi o único circuito profissional de surf a ser disputado em todo o Mundo durante a presente temporada.
A Praia do Cabedelo e da Murtinheira foram o palco de uma prova simbólica, que foi vencida por Frederico Morais e Teresa Bonvalot. Um triunfo que serviu também para lançar ambos os surfistas na corrida ao título. Kikas e Teresa viriam mesmo a sagrar-se campeões nacionais e os únicos vencedores em 2020 de um título a nível mundial disputado no formato de circuito.

Allianz Figueira Pro 2020 em números
– Campeões da Etapa: Frederico Morais e Teresa Bonvalot;
– Finalistas Masculino: Filipe Jervis (2º), Afonso Antunes & Tomás Fernandes (3º Ex Aequo);
– Finalistas Feminino: Carolina Mendes (2ª); Kika Veselko & Yolanda Hopkins (3ª Ex Aequo);
– 1003 ondas surfadas por 97 surfistas em competição;
– Melhor onda (máximo 10 pontos): 9.00 de Luís Perloiro (round 3);
– Melhor pontuação (máximo 20 pontos): 17.15 de Frederico Morais (final);

A Liga MEO Surf 2020 foi uma organização da Associação Nacional de Surfistas e da Fire!, com o patrocínio do MEO, Allianz Seguros, Renault, Bom Petisco, Somersby, Banco Santander, Rip Curl, os parceiros de sustentabilidade Fundação Altice e Jerónimo Martins, o apoio local do Município da Figueira da Foz e o apoio técnico da Associação de Surf da Figueira da Foz e da Federação Portuguesa de Surf.

Mais informações em www.ansurfistas.com.

Pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui