Câmara da Figueira da Foz adia pela segunda vez adesão à Fundação de Serralves

0
58
Pub

A Câmara da Figueira da Foz voltou a adiar, pela segunda vez, a votação da proposta de adesão ao núcleo de fundadores da Fundação Serralves (Porto), após novas questões levantadas pela oposição.

Na discussão da proposta, em sessão do Executivo, o presidente da Câmara informou que as questões orçamentais que motivaram o primeiro adiamento estavam resolvidas e que iria fornecer mais dados à Assembleia Municipal, que, em Abril, ameaçou chumbar a adesão, que implica o pagamento de 100 mil euros em quatro anos.

“Julgo que devemos dar este passo”, disse Pedro Santana Lopes, sublinhando a importância de o Município estabelecer intercâmbio com instituições culturais relevantes.

O autarca invocou ainda o parecer da directora cultural da autarquia e a grande quantidade de municípios, alguns na região Centro, que já aderiram à Fundação de Serralves.

O vereador Ricardo Silva, único eleito do PSD no executivo, considera que não “há uma justificação razoável para a autarquia apoiar uma instituição com sede e actividade central na cidade do Porto”, sem estarem definidas as contrapartidas para o concelho.

“É completamente imoral gastar 100 mil euros de dinheiro público para conseguir o empréstimo de obras de arte, quando temos instituições e particulares a ceder gratuitamente, durante 10 anos, obras de arte”, salientou.

O autarca desafiou ainda o presidente do Município a revelar o nome de “um só Município que tenha ganho projecção nacional ou internacional após se tornar membro fundador da Fundação de Serralves”.

O vereador socialista Carlos Monteiro, ex-presidente da Câmara, defendeu a inclusão de um documento anexo complementar ao protocolo contendo as mais-valias para o Município da adesão à Fundação Serralves “para não haver conflito entre a Câmara e a Assembleia Municipal”.

Salientando que o PS viabilizaria a proposta na Câmara, dado que o Executivo “tem direito a errar”, Carlos Monteiro alertou para o voto contra da Assembleia Municipal se um documento anexo e o parecer da directora cultural não acompanhar o protocolo. “Hoje votarmos a favor é perdermos depois a face na Assembleia Municipal”, sustentou.

Pedro Santana Lopes acabou por retirar novamente o ponto da ordem de trabalhos para efectuar os ajustes propostos, de forma a ser aprovado na próxima reunião, agendada para 15 de Junho.

“Não estou preocupado com a adesão, que considero boa para a Figueira da Foz”, disse o presidente da autarquia aos jornalistas, no final da sessão de Câmara, concluindo que os outros municípios que aderiram à Fundação de Serralves “são todos perdulários”.

O autarca referiu ainda, de forma irónica, que vai efectuar o levantamento das exposições “que vieram de graça à Figueira da Foz” e atribuiu o impasse na adesão “a razões políticas que estão sempre por detrás”.

Durante a sessão, Santana Lopes anunciou que, a partir deste mês e até Setembro, a cidade vai receber no Centro de Artes e Espetáculos uma exposição sobre Manuel de Oliveira e Agustina Bessa Luís, da Fundação de Serralves.

 

Pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui