29.1 C
Figueira da Foz
Quarta-feira, Julho 10, 2024

Otimismo marca discurso de Pedro Santana Lopes na sessão solene do Dia da Cidade

EU REPÓRTER?

Metereologia

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -

A Câmara Municipal da Figueira da Foz assinalou, ao início da tarde do dia 24 de junho, no Grande Auditório do Centro de Artes e Espectáculos, o Dia da Cidade, com a sessão solene e entrega de distinções honoríficas a entidades e diversas personalidades.

Presidida por Pedro Santana Lopes, Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, a sessão contou com a presença das deputadas à Assembleia da República Ana Oliveira e Raquel Ferreira, vários autarcas locais e regionais, representantes de entidades públicas, civis, religiosas e associativas.

A sessão abriu e encerrou com momentos musicais bastante aplaudidos. O primeiro a canção “Figueira”, vencedora do Festival da Figueira da Foz em julho de 1963. O segundo o hino da Figueira, a “Marcha do Vapor”. Ambos estiveram a cargo de Alexandra Curado (piano), Eduardo Henriques (piano), Maria Pleno, Ruben Nascimento, Guilherme de Bastos Lima e Gabriel de Castilho (voz).

O presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM RC), Emílio Torrão, manifestou uma “enorme honra e satisfação” por se encontrar na Figueira da Foz “cidade dinâmica, próspera e que tanto nos orgulha.” “Um dos mais belos concelhos da nossa região”, “lugar único e especial”.

CIM RC elogia trabalho e dedicação do executivo

Emílio Torrão salientou que o presidente da autarquia e o seu executivo têm “demostrado ao longo do seu mandado o seu trabalho árduo e dedicação”, que “têm sido fundamentais para a continuação do progresso” da Figueira da Foz e da região de Coimbra.”

“Na verdade, este executivo vai marcando de forma inquestionável a história deste concelho contribuindo com a sua ação, entusiamo, saber, visão e competência para que a Figueira da Foz continue no caminho da modernidade, do desenvolvimento, e na sua afirmação no contexto regional e nacional”, frisou o responsável pela CIM RC.

CIM RC e CMFF juntas no compromisso de uma Figueira melhor

Emílio Torrão reiterou o compromisso da CIM RC de “trabalhar lado a lado com a Câmara Municipal da Figueira da Foz (CMFF) e com todos os municípios que compõem” a comunidade e referiu que aquela entidade está ao dispor da CMFF e “de todos os figueirenses” para juntos contruírem “um futuro mais próspero.

Para o Presidente da CIM RC “A Figueira da Foz é muito mais que um destino turístico de eleição é também um importante centro económico com um porto de grande relevância nacional, um tecido económico que impulsiona o desenvolvimento económico da região e cria oportunidades para todos”.

“Hoje celebramos não só o passado e o presente da Figueira da Foz, mas também o seu futuro promissor. Um futuro que construímos com determinação, inovação, espírito de liderança e de grande colaboração”, salientou ainda.

Emílio Torrão finalizou a sua intervenção, formulando votos para que a CIM RC e a CMFF continuem “a trilhar o caminho do progresso e prosperidade, unidos pelos mesmos ideais e objetivos.”

Pedro Santana Lopes apresenta uma Figueira otimista

Já o Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes, iniciou a sua intervenção lembrando que o dia era, não só de celebração do padroeiro, mas também do “Município “e que faz “falta celebrar o que é bom, celebrar as virtudes, os princípios, e valores que nos animam.

Pedro Santana Lopes lembrou que é “preciso vivermos o tempo da vida com otimismo” e que no concelho da Figueira da Foz esse otimismo “tem felizmente justificação e que resultam de vários fatores, “que até são independentes do nosso trabalho ou do mérito de todos nós”, salientou.

O autarca eleito pelo Movimento Figueira a Primeira, salientou que neste momento “conjugam-se vários fatores da parte pública e da parte privada que permitem que sintamos um otimismo redobrado.”

Pedro Santana Lopes salientou uma série de investimentos [públicos], na ordem das dezenas de milhões de euros, “muitíssimo significativos” e importantes para o concelho, como a melhoria da barra da navegabilidade do Porto, o “big shot”, “que está para ser concretizado há anos e que este ano o estado concretizará através do Ministério do Ambiente”.

Licenciatura e mestrados começam em setembro no Campus da UC

O autarca salientou que os tempos são “muito desafiantes” na área das tecnologias e que “o setor da edução lidera o salto para o progresso que é exigido pelos tempos que vivemos.

“É por isso que temos sempre junta com a educação a investigação e outra palavra, inovação. Por isso a aposta conjunta com a Universidade de Coimbra no Campus da Figueira da Foz.”, referiu ainda.

Pedro Santana Lopes, adiantou, “autorizado pelo senhor Reitor”, que a partir de setembro irá ter início a primeira licenciatura (Biologia Marinha) no Campus da Universidade de Coimbra (UC) e que em 2025 serão duas ou três licenciaturas.

“É um processo sustentado e sustentável, responsável, com os pés assentes na terra, como é próprio de uma instituição com a credibilidade e respeitabilidade e o saber da Universidade de Coimbra. Só isto será um tempo completamente novo”, advogou o presidente da autarquia figueirense que lembrou ainda que: “A conversa do chamado politiquês, das promessas de tempos ou dos amanhãs que cantam, é algo que as pessoas já não têm paciência para ouvir. Tem paciência para ouvir factos, esperanças reais fundamentadas naquela que é a perceção de uma realidade efetiva.”

Pedro Santana Lopes deixou algumas palavras a alguns dos cidadãos distinguidos, nomeadamente a Oriana Cação, Presidente da Direção do Sporting Clube Figueirense há quinze anos, a José Nascimento Costa, a José Robala Marques, a Júlio Isidro, e em especial ao Presidente da Assembleia Municipal, José Duarte Pereira, “homem notável”.

“Não há ninguém que tenha recebido já esta distinção [Medalha da Cidade – cidadão honorário] que a merecesse mais eu sou testemunha do que é seu labor, o modo como procura entender-se com as várias forças políticas, quer no modo como está presente em tantas sessões e tantas atividades por todo o concelho, no seu serviço e disponibilidade.”, frisou o Presidente da Câmara Municipal.

“Para mim tem sido um privilégio e uma ajuda muito importante contar com um Homem de Estado. E fico maravilhado com as provas de afeto, carinho e amizade por todo o concelho, que constantemente testemunho.”, referiu ainda.

Os distinguidos

O Município da Figueira da Foz distinguiu este ano, na sessão solene do dia da Cidade, cidadãos de distintas áreas, mas todos com um importante e distinto papel na sociedade.

Restaurante “Manuel do Evaristo”, medalha de Mérito Comercial em Prata, representado pelo seu filho Jorge Evaristo; Oriana Cação, medalha de Mérito Desportivo grau Prata, a qual agradeceu a todos quantos a têm acompanhado na sua aventura enquanto dirigente desportiva; Miguel Figueira, medalha de Mérito Social grau Prata, que agradeceu a Pedro Santana Lopes ter aceite o desafio de trazer para a Figueira a exposição “O Mar é a nossa Terra” e de partilhar com a “nossa comunidade” a reflexão que ela encerra e que ajudará a pensar a cidade e a “deixar aos nossos netos a praia que recebemos dos nossos avós”; Fausto Fernando dos Santos Loureiro, medalha de Mérito Social grau Prata Dourada, com mais de quatro décadas dedicadas à causa pública; Ana Paula Carrito, medalha de Mérito Técnico /Científico grau Prata, duas décadas diretora do Agrupamento de Escolas do Paião e que manifestou a sua gratidão, satisfação e orgulho pela escola que foi construindo com o trabalho e dedicação de muitos e que hoje lhe permite dizer que é “para todos”; José Manuel Borges do Nascimento Costa, medalha de Mérito Técnico/ Científico grau Prata Dourada, que se manifestou sentido e sensibilizado, bem como reforçado a “continuar com força e dedicação” à medicina , assim como “realizado com o tempo que por mim passou”; os autores do projeto “Buarcos – The Unridden Ones” – João Traveira, Luís Pereira, João Serpa, Ivo Cação e João Filipe Belo, medalha de Mérito Cultural grau Cobre. João Traveira, que falou em nome dos restantes quatro distinguidos, agradeceu ao município e à cidade “que nos dá tanto”, deu nota de que o documentário irá ficar aberto ao mundo, no Youtube, e que “a procissão ainda vai no adro”, pois ainda iremos ouvir falar muito deles.

Os últimos três distinguidos foram José Robala Marques (Zé Limão), medalha de Mérito Cultural grau Prata – a título póstumo, representado pelo seu filho o qual manifestou “grande orgulho e honra” e agradeceu a todos quantos têm contribuído para manter vivo o legado do pai; Júlio Isidro, medalha de Mérito Cultural grau Prata Dourada, que confessou estar “a viver uma das grandes surpresas “ da sua vida” e que “quase todos os dias tem uma memória da Figueira, de onde não é natural, mas onde julga ter sido “produzido” e onde gostava de “passar o verão do vinho melhor ; José Duarte Pereira, medalha da Cidade que lhe concedeu o título de Cidadão Honorário.

O atual presidente da Assembleia Municipal dedicou a distinção aos pais, que migraram do Rabaçal para lhe proporcionar uma vida melhor.

José Duarte Pereira referiu que se entregou à causa pública e que a coloca sempre à frente de qualquer cor política.

Também os funcionários do Município, que se aposentaram em 2023, e os da Empresa Águas da Figueira S.A. receberam as suas medalhas de bons serviços prestados.

Fonte: CMFF

- Advertisement -

✚ Farmácias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -spot_img
- Advertisement -

Últimos Artigos