Figueira da Foz o Concelho que se merece ter! – Opinião – Rui Duque

554
Texto de Opinião

Rui Duque

Figueira da Foz o Concelho que se merece ter!

Cidade e sede de Concelho, a Figueira da Foz situa-se no centro litoral, a 57 km de Coimbra, 140 km do Porto e 197 km de Lisboa. É a segunda maior cidade do distrito de Coimbra, com 28 mil habitantes.

A norte e sul – Aveiro e Leiria (distritos) – contem referências fortes de empreendedorismo e sucesso nos setores secundário e terciário, e nos últimos 20/30 anos, a Figueira viu emergir pujantes Concelhos, como Cantanhede e Pombal, que a ameaçam mais proximamente.

Concelho com uma Área total de 379,05 km², repartido por 14 freguesias e uma população total de 58 962 habitantes, de acordo com o Censos de 2021 – menos 5,1% do que há uma década atrás – é considerado um território de investimento, em termos comparativos com o resto do País, pelo baixo custo do seu solo, habitação, geografia e orografia.

Caraterística específica resultante de ser banhado pelo oceano atlântico, pelo rio mondego e por extensas áreas florestais, parte substantiva do seu território não está sob a gestão direta dos órgãos municipais eleitos pelos seus habitantes.

A cidade foi considerada, durante muitas décadas, um destino de férias e divertimento (destino de Praia e Casino). Sendo ainda hoje um local de encontro das famílias em férias – os que ficaram com os que partiram na diáspora, e que com a suas competências enriquecem outros territórios, nacionais e estrangeiros.

Numa abordagem sobre se vale a pena apostar na Figueira da Foz, deparamo-nos com um: Depende!

Sem dúvida morar na Figueira da Foz é sinónimo de tranquilidade e segurança, porém sendo uma cidade pequena e um Concelho pouco industrializado ou terceirizado, as oportunidades de emprego são limitadas.

Em outros fóruns questiona-se do Paradigma futuro deste território e as respostas são dispares porque se em potencial muito lhe é reconhecido, em realização pouco tem sido obtido.

Nesta conformidade apresentam-se algumas achegas, à laia programática e visão holística, da mudança de um território seguro e tranquilo para um território (também) Guia no contexto regional:

AMBIENTE / DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL – propõe-se uma abordagem das políticas de ambiente de forma integrada, preservando e valorizando os nossos recursos naturais – água, ar, solo, fontes renováveis de energia – um modelo de sustentabilidade preparado para as alterações climáticas, alinhando com os objetivos do desenvolvimento sustentável definido pelas nações unidas na agenda 2030.

QUALIDADE DE AMBIENTE– importante melhorar a qualidade do espaço público, do ar e do ruido, através de uma melhoria do serviço de Limpeza Urbana – melhor organização, qualidade e alteração dos ciclos de recolha; nos Espaços verdes –  com a escolha de espécies mais adequadas / autóctones (com menos exigências hídricas) em função do enquadramento, embelezamento, proteção e ensombramento;  Criação subsidiada de serviços ecológicos prestados por voluntários devidamente organizados em suporte técnico – visando a preservação do solo, a biodiversidade, purificação do ar, o enquadramento paisagístico, e compromisso do Município /Comunidade, no aumento da área verde e arborizável.

ENERGIA E TRANSPORTES – Aposta decisiva na Mobilidade elétrica, com postos de carregamento elétrico, veículos elétricos de uso comum ao serviço da comunidade e transportes coletivos elétricos; Eletrificação da linha do Oeste e Figueira da Foz / Coimbra; Criação de transporte móvel elétrico com aproveitamento da linha de comboio desativada da Figueira à Pampilhosa; Incremento das energias renováveis eólicas no Concelho.

ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO – Criação de centralidades – zona de ruas (ex: casco velho da cidade), de zonas comerciais, zonas verdes ou de equipamento coletivo existente ou projetado, com pontos de encontro da comunidade local, uma microcentralidade que concentre atividade e emprego, que se consagre como espaço público de bem estar, privilegiando os modos suaves de locomoção, marcha a pé e bicicletas; Aumento do Conforto Urbano – com requalificação de edifícios e espaço público, em particular nos materiais utilizados, na manutenção ou colocação do mobiliário urbano, na eliminação de obstáculos que condicionem a mobilidade tornando o espaço público agradável e USER FRIENDLY.

MOBILIDADE – Elaboração do Plano de Mobilidade e Transportes; Criação de um sistema de transporte público entre as localidades do Concelho, através de concessão ou de empreendimento municipal; progressiva substituição da frota municipal para veículos elétricos; implementação da rede ciclável por todo o Concelho, com uso de bicicletas elétricas;

HABITAÇÃO – Bolsa Municipal de Habitação – criação de uma Bolsa Municipal de Aquisição /Arrendamento através de candidaturas aos Programas próprios, de construção, reabilitação e requalificação urbana, especialmente no centro histórico, de forma a dinamizar esse espaço.

EMPREENDEDORISMO, CRIAÇÃO DE EMPREGO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL – Desenvolvimento e promoção de negócios locais – promover a criação e modernização de negócios tradicionais de pequena dimensão, com uma forte componente de proximidade através da revitalização das “Profissões tradicionais”, criando espaços de trabalho, pontos de venda e promoção da modernização; Redução das rendas em espaços comerciais nas zonas históricas; Desenvolvimento e promoção de negócios de base científica e tecnológica – Criação de uma agência de promoção e internacionalização da economia da FF que atuará em parceria com a CM (e o AICEP) na captação de investimento e no desenvolvimento em áreas de negócio diversificadas; Promoção de informação sobre programas comunitários disponíveis: Dinamização empresarial estabelecendo sinergias entre investidores, universidades, BUSINESS ANGELS, Capital de Risco, Banca, Governo e Autarquia; Criação de um Parque Tecnológico que contenha Instalação de projetos de I § D (que deve ser um motor de modernidade e internacionalização do Concelho, um elemento agregador da comunidade empresarial ao nível regional e sectorial; Um espaço de investigação, inovação, desenvolvimento e transferência tecnológica; Um espaço gerador de oportunidades de investimento e valorização do património das empresas instaladas); Promoção da atração de capital internacional de alta densidade tecnológica e Desenvolvimento do Campus Universitário.

SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTEÇÃO CIVIL – Ativar e reforçar o SMPC através de um sistema de comunicação à população para difusão de alertas, avaliação de riscos e vulnerabilidade social, identificação de áreas sensíveis e identificação de obstáculos e cumprimento da legislação sobre a floresta, com ação colaborativa em todas as freguesias e com estas.

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO – Promover e facilitar a ligação das escolas e dos docentes à comunidade, através de projetos integradores que promovam a cooperação da escola, as famílias e as organizações locais; Alargamento da oferta de creches; Reforçar modelos de tutoria e mediação das escolas; Reforçar as equipas de assistentes operacionais e outros técnicos especializados não docentes; Criação de uma bolsa de mérito escolar; Trabalhar com as escolas (ensino secundário e superior), empresas, as famílias e a comunidade, direcionando os alunos para a necessidades de empregabilidade do mercado de emprego.

DESENVOLVIMENTO SOCIAL- Criar condições para a fixação de famílias jovens no Concelho, através da implementação de medidas de apoio à natalidade – alargamento dos berçários e creches e jardins de infância; construção de habitação jovem para as famílias de classe média; Promoção da ocupação dos tempos livres das crianças, incluindo os períodos de férias escolares; Constituir equipas de apoio psicossocial a indivíduos; Criação de equipas de intervenção de proximidade com os seniores a fim de combater as situações de seniores isolados, fazendo o devido acompanhamento e encaminhamento para instâncias sociais locais.

EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL – Desenvolver os processos de articulação entre as empresas no Concelho e o IEFP.

SAÚDE – Atrair novas empresas que possibilitem mais e novos empregos; Dinamização de projetos de inclusão social.

DESPORTO, LAZER E TEMPOS LIVRES – Dinamizar programas de promoção do desporto escolar, através de eventos desportivos de competição nas escolas, no parque das Abadias, na praia e nas Associações Desportivas do Concelho; Dinamizar a prática da natação ao longo do ano, nas diversas piscinas das freguesias com a sua adaptação a essa função.

Outros grandes projetos de alcance e importância poderiam ser expostos, com efeito reprodutor, ao nível do setor secundário e terciário mas, o fundamental da missão, dos representantes executivos do povo, será aportar os excelentes Recursos Humanos e Financeiros de figueirenses e outros que engrandecem e enriquecem outros territórios por não se sentirem desejados, solicitados para o fazerem nesta “Terra” como:

O GUIA REGIONAL QUE A FIGUEIRA DA FOZ PODE E MERECE SER!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui