Miguel Mattos Chaves (CDS-PP) apresenta 5 razões para se recandidatar

0
35
Pub

Miguel Mattos Chaves, candidato a Presidente da Câmara da Figueira da Foz, nas Listas do CDS-Partido Popular, já apresentou nas redes sociais as razões da sua recandidatura, distribuídas por cinco eixos de acção, num manifesto que reproduzimos:

 

«1. – IMPOSTOS – Aligeirar a Brutal Carga de Impostos e Taxas que incidem sobre os cidadãos e sobre as empresas. Em 2017 desafiei a CMFF a fazê-lo! Nada fez!

.

  1. – INVESTIMENTO/EMPREGO – Atrair Investimento, Empresas, para o Concelho de forma a fixar a população, e trazer de volta outros figueirenses que saíram do Concelho por neste não encontrarem emprego condigno ou, no caso dos jovens, por não terem pólos universitários em que possam preparar-se para a vida profissional;

Em 2017 desafiei a CMFF a fazê-lo! Nada fez!

.

3.- TURISMO e DESENVOLVIMENTO – Desenvolver o Concelho e diminuir a sazonalidade dos visitantes, dos Turistas, para que o Comércio se desenvolva e enriqueça e para que as estruturas do Concelho sejam mais vividas durante todo o ano, e não apenas no mês de Agosto de cada ano, ou em esporádicos fins-de-semana.

.

4.- ESTACIONAMENTO e TRANSPORTES – Mudar a filosofia da Mobilidade e dos Transportes para que estes factores sirvam verdadeiramente os residentes no Concelho (na sede e nas Freguesias rurais) com vantagens e comodidades para todos.

Acabar com os Parcómetros na Cidade que não é mais do que mais um Imposto sobre as Pessoas.

Em 2017 desafiei a CMFF a fazê-lo! Nada fez!

.

  1. – SAÚDE – reabrir a Maternidade na Figueira; Abrir um Centro de Cuidados Paliativos.

Em 2017 desafiei a CMFF a fazê-lo! Nada fez!

.

Se For Eleito pelos Figueirenses, sem qualquer sombra de dúvida que o farei.

Por nada disto ter sido feito, é uma das Razões pelas quais me Recandidato.»

 

Miguel Francisco Loureiro de Mattos Chaves é investigador, docente universitário e atual presidente da concelhia e vogal da Comissão Política Nacional do CDS-PP. Recandidata-se depois de ter conseguido 1,8% em 2017, numa coligação com o Partido Popular Monárquico (PPM), que integrou também membros da Plataforma Viver É Envelhecer e cidadãos independentes.

 

Pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui